Não perca 7 maneiras de fazer um bom controle de pragas na sua fazenda

Não perca 7 maneiras de fazer um bom controle de pragas na sua fazenda

As lavouras constituem o verdadeiro paraíso para insetos e roedores, já que concentram uma grande quantidade de alimentos para esses animais. Um bom controle de pragas é a única forma de não correr o risco de perder boa parte da produção para esses indesejáveis visitantes.

Para consegui-lo, no entanto, alguns cuidados são necessários e devem ser adotados. Assim, saiba como surgem algumas pragas e conheça 7 maneiras de manter sob controle os ataques à sua lavoura.

Por que aparecem pragas na fazenda?

Em condições naturais não existiriam milhares de plantas reunidas em um mesmo local, como ocorre no caso de uma lavoura de milho ou de soja, por exemplo. Do mesmo modo, sem a participação humana, também não haveria a presença de milhares de insetos e roedores se alimentando dessa lavoura ou dos grãos ou frutos por ela produzidos.

Assim, o que popularmente se denomina “praga” nas fazendas é a presença de grandes quantidades de insetos ou ratos, entre outros, consumindo a plantação ou os grãos armazenados. Na verdade, a praga é uma consequência direta da reunião de muito alimento em um mesmo lugar.

Dessa forma, para produzir e garantir uma boa colheita e um bom armazenamento, é preciso intervir. Sem as práticas de controle adequadas, as perdas podem atingir índices alarmantes e, em certos casos, até inviabilizar o cultivo.

As iniciativas para o controle de pragas envolvem medidas preventivas e corretivas, ou seja, agir antes para evitar e depois para combater. Embora cada cultura padeça de diferentes pragas, podem ser listadas entre as mais importantes:

  • carunchos (pequenos besouros que perfuram os grãos);

  • lagartas diversas (destroem plantas muito jovens, atacam a espiga do milho, perfuram a cana-de-açúcar);

  • moscas-das-frutas (diversas espécies que atacam desde o fruto do cafeeiro até as laranjas do pomar);

  • roedores (ratos, que consomem grandes quantidades de grãos armazenados).

Como controlar?

O agronegócio não pode dispensar um bom planejamento para alcançar o sucesso pretendido com a produção. Um ponto que deve ser planejado e operado com a devida antecedência corresponde às medidas preventivas para o controle de pragas.

Considere, portanto, as iniciativas apontadas a seguir.

1. Conheça as principais pragas de sua lavoura

Para combater com sucesso, é preciso conhecer. Assim, procure identificar as principais pragas ocorrentes em sua lavoura e informar-se sobre elas.

Leve em conta, principalmente, aspectos sobre o ciclo de vida e as formas de controle mais eficientes. Do mesmo modo, certifique-se se elas aparecem de maneira localizada ou se estão dispersas por toda a plantação. Isso é essencial para definir os caminhos a serem adotados para cada caso.

2. Trabalhe a saúde do solo e da lavoura

Uma lavoura saudável e forte é o primeiro passo para reduzir a incidência de doenças e pragas, assim como os danos que surgirem. Para isso, a manutenção de um solo biologicamente ativo e abastecido com os nutrientes necessários ao cultivo implantado é essencial.

Capriche na correção da acidez e no preparo do solo, assim como na incorporação de matéria orgânica. Considere realizar uma análise de solo, pelo menos uma vez a cada ano.

3. Adote o manejo integrado de pragas

A moderna ciência agronômica procura otimizar cada solução disponível para o controle de pragas por meio de sua integração. Assim, o manejo integrado não se trata de um controle alternativo, mas de ciência aplicada ao agronegócio pelo uso de várias soluções.

O manejo integrado de pragas investe mais nas medidas preventivas, mas não deixa de fazer uso de pesticidas, embora de modo limitado quando indispensável. É, portanto, uma estratégia baseada no controle ecológico e apoiada nos recursos disponíveis, além de ser um dos pilares de uma agricultura sustentável.

4. Faça rotação de culturas, sempre que possível

Quando se conduz uma mesma lavoura em uma determinada área, dois eventos importantes acontecem. Primeiro, ocorre um desgaste de determinados nutrientes naturais existentes no solo, pois as mesmas plantas os extraem constantemente. Por essa razão, há a necessidade de adubos específicos para cada cultura.

 Ao mesmo tempo, desenvolvem-se pragas e doenças que atacam aquela lavoura (milho, feijão, laranja). As populações desses insetos, microrganismos e outros crescem quase que livremente, caracterizando as infestações, com sérios prejuízos para a produção.

A rotação de culturas consiste em interromper periodicamente um cultivo, logo após a colheita, plantando no local uma outra cultura. Esta, por sua vez, vai consumir outro grupo de nutrientes e não será ambiente propício para as mesmas pragas e doenças que se implantaram no local e que diminuirão ou desaparecerão.

5. Mantenha a lavoura no limpo

Muitas vezes, as pragas se abrigam em facilidades existentes no mato que cresce na lavoura. Além disso, ocorre uma forte concorrência por luz, água e nutrientes, fazendo com que a plantação tenha que disputar com as ervas invasoras (por isso são chamadas de ervas daninhas).

Dessa forma, é importante manter a lavoura no limpo para que ela consiga se desenvolver da forma mais saudável possível. E, como visto antes, uma plantação saudável resiste melhor a pragas e doenças.

6. Faça inspeções rotineiras

Dificilmente uma praga se instala da noite para o dia e, de repente, tudo aparece infestado. O desenvolvimento das infestações pode não ser muito demorado, mas é gradativo o suficiente para que se perceba sua chegada.

Para isso, no entanto, é necessário que se façam inspeções rotineiras na lavoura. Assim, observando alterações em uma e outra planta, pode-se identificar a presença de determinada praga e agir antes que se alastre para todo o campo.

Nessa hora, serão necessários aqueles conhecimentos a respeito das principais pragas, conforme apontado em outra dessas dicas. Observando seus sinais e conhecendo seu ciclo, fica mais fácil providenciar medidas de combate mais adequadas.

7. Adote estruturas protetivas para o armazenamento

Uma das principais pragas que provocam grandes prejuízos na fazenda é o rato. Tecnicamente conhecido como roedor, seu principal estrago se dá sobre os grãos colhidos e armazenados.

Dessa forma, é necessário que estejam disponíveis estruturas próprias para o armazenamento desses grãos. Podem ser construídas como um ou vários quartos grandes de uma casa, ou podem ser obtidas prontas a partir de containers.

Atualmente, o uso do container para o armazenamento da produção é mais tecnologia no campo e uma das melhores soluções disponíveis no mercado. Uma de suas principais vantagens é poder ser totalmente fechado, garantindo o tratamento da produção armazenada e impedindo o acesso dos roedores.

Cuidados para o controle não provocar danos

O controle de pragas mais fácil, direto e imediato é feito com a utilização de pesticidas. No entanto, seu uso sem o necessário planejamento técnico, um adequado depósito e os cuidados indispensáveis pode resultar em efeitos indesejáveis.

Nesse sentido, é preciso considerar as seguintes possibilidades no uso descontrolado de produtos químicos para o combate às pragas:

  • custo elevado, variando com os produtos utilizados;

  • facilidade para o desenvolvimento de resistência aos pesticidas;

  • intoxicação dos operadores;

  • intoxicação do ambiente;

  • elevado efeito residual na produção (grãos, frutas).

Com essas dicas, você viu a importância de conhecer as pragas, garantir uma lavoura saudável e dispor de estruturas eficientes para o armazenamento da produção. Agora está preparado para planejar um bom controle de pragas para sua fazenda!

Gostou deste post? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais. Eles lembrarão de você quando adotarem algumas dessas medidas!