Mobilidade para fazendas arrendadas: como é possível?

mobilidade para fazendas

Mobilidade para fazendas arrendadas: como é possível?

No Brasil, principalmente em estados como o Mato Grosso e Mato Grosso do Sul — em que as plantações e o arrendamento de terras são práticas bastante comuns —, é usual que muitos fazendeiros tenham dúvidas sobre quais são as mudanças que devem adotar para obter uma maior mobilidade para fazendas.

Por conta disso, neste post, vamos abordar como a mobilidade pode facilitar na logística de sua fazenda e de que maneira tornar seus processos muito mais práticos. Acompanhe!

Qual é a importância da mobilidade para fazenda?

Em um contexto em que os recursos e conhecimentos disponíveis estão bastante desenvolvidos em relação ao passado, nunca é demais buscar melhorias que ajudem a abrir novos horizontes para os seus negócios — seja de qual área eles forem — e, consequentemente, fazer com que você obtenha melhores resultados.

A mobilidade para fazendas, nesse sentido, surge como uma importante forma de explorar o potencial logístico que algumas mudanças podem conferir aos fazendeiros — sobretudo àqueles que têm que gerir terrenos distantes uns dos outros ou coordenar fazendas muito vastas.

Nesses casos, trasladar funcionários em trajetos muito longos para que eles possam se alimentar, dormir ou realizar atividades diversas acaba sendo muito dispendioso para os fazendeiros, sendo oportuno empregar algumas alternativas móveis que sejam mais próximas aos postos de trabalho.

Assim, seja para dar suporte a colheitas em diferentes pontos — atendendo, inclusive, às normas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) — ou para conferir uma certa maleabilidade a instalações de terras arrendadas, a mobilidade para fazendas pode gerar muitos frutos.

A seguir, abordaremos o que, de fato, são arrendamentos e trataremos de algumas opções para se trabalhar na mobilidade para fazendas. Continue a leitura!

O que exatamente são arrendamentos?

De acordo com definição do dicionário, arrendamento é um tipo de contrato que possibilita com que uma parte desfrute do fator de produção de uma outra — normalmente terras ou equipamentos — mediante o pagamento de uma renda. Assim, este tipo de negócio acaba atendendo aos interesses de ambas as partes.

Nesse contexto, o sistema de arrendamento de terras, um dos mais utilizados, constitui-se como um dos traços característicos de regimes agrários de muitos países. Ele permite que fazendeiros que não têm os recursos necessários para plantar em determinada época do ano disponibilizem suas terras para aqueles que têm o capital, mas não a terra.

Assim, práticas como o arrendamento de talhões para cultivo (comum em estados da região centro-oeste) contribuem bastante para o aquecimento do mercado agrícola, constituindo-se em uma importante forma de cooperação entre os agricultores. Em contrapartida, por mais que esse tipo de negócio convenha a ambas as partes, há um ponto em especial que costuma gerar algumas dores de cabeça aos arrendatários.

Como os contratos de arrendamento são feitos, normalmente, por um período de 10 anos — que é um tempo relativamente grande, mas, ainda assim, finito —, muitos dos fazendeiros têm dúvidas se devem construir sedes nos terrenos ou não, como devem proceder etc.

Em casos em que o fazendeiro tenha outras propriedades distantes ao local, a construção de uma casa é fundamental para servir como uma base na fazenda. Porém, ela pode se configurar, ao mesmo tempo, em um grande prejuízo, já que o terreno será entregue ao proprietário ao final do contrato. O que fazer nessas situações?

Como um container contribui na mobilidade para fazendas?

Entre algumas outras utilidades, os containers surgem para resolver esse problema, possibilitando com que o arrendatário tenha tanto uma casa de qualidade no terreno quanto possa transportá-la quando o contrato se encerrar. Se a casa fosse de alvenaria, simplesmente não seria possível retirá-la do local quando o contrato chegasse ao final.

Pensando no lado do arrendador — aquele que disponibiliza o terreno —, é possível que ele tenha uma casa em um terreno que pretenda arrendar mas não queira abdicar do conforto que ela oferece. Dessa maneira, se essa casa fosse constituída de container, ele poderia transportá-la para outro terreno, não tendo que abrir mão dela.

Essas situações comprovam que o container é intrinsecamente móvel, já que, ao contrário das construções de alvenaria, ele pode ser mudado de localidade quando convir. Em um outro caso hipotético, pode ser que, na compra de uma terra, a casa tivesse sido instalada em um lugar por motivos estratégicos, mas, com o passar do tempo, as condições mudaram.

Seja por conta do fazendeiro ter comprado terrenos vizinhos que fossem mais adequados, pela construção de uma estrada barulhenta nas proximidades ou por motivos quaisquer, outro lugar passou a ser mais oportuno para a instalação da casa. Neste cenário, o container pode ser transportado quando convir e tem maior adaptabilidade às mudanças, não ficando recluso a uma localidade específica das fazendas.

Há containers móveis?

Além da mobilidade já inerente aos containers descrita acima, também existem variações de container que são ainda mais transportáveis, podendo ser úteis a todos os tipos de fazendas. São modelos que contam com rodas, um cabeçalho e um cambão, possibilitando com que sejam conectados a tratores, caminhonetes ou meios de transporte similares.

Assim, eles se destacam por serem conduzidos com facilidade e atenderem aos interesses de quem os necessita para o cumprimento de três principais finalidades:

  • alojamento;
  • banheiro;
  • refeitório.

Com isso, em vez de levar os funcionários a esses locais, os containers móveis permitem que os locais sejam levados aos funcionários, tornando os procedimentos mais práticos e dinâmicos. Eles são construídos para atender de 8 a 16 pessoas, sendo bastante úteis para obras pontuais que levam um curto espaço de tempo mas que, ainda assim, acarretariam em um alto custo de transporte.

Além disso, eles servem para oferecer condições de trabalho dignas aos funcionários. Nas colheitas, por exemplo, é comum a utilização do trator para a realização das refeições, já que muitos dos modelos de hoje em dia têm ar-condicionado e oferecem relativo conforto.

No entanto, os tratores não são exatamente propícios para isso. Além de não serem lugares próprios para alimentação e descumprirem as normas do MTE, eles podem apresentar problemas mecânicos por ficarem com o ar-condicionado ligado e gerarem prejuízos por conta da utilização excessiva do diesel.

Conseguiu entender melhor sobre como é possível empregar a mobilidade para fazendas? Confira algumas interessantes soluções de containers que podem ajudá-lo a melhorar seu desempenho!